EXCLUSIVO: Ex-secretário Renan Arnoni: “Rômulo Rippa faz um governo de números ”

Nesta entrevista exclusiva, o jovem historiador fala de sua aproximação e apoio a Élcio Arruda e ao deputado federal Alex Manente, afirma que prefeito Rippa se distancia do povo, mas acredita que ela ainda possa virar o jogo e se reeleger em 2020

Publicado em 06/10/2018 08:46:15

EXCLUSIVO:  Ex-secretário Renan Arnoni: “Rômulo Rippa faz um governo de números ”
"Em questões administrativas o governo dele (Rippa) é ótimo. Ele tem seguido a lei e tem buscado extinguir certos vícios da máquina"

Marco Rogério

Ex-secretário na gestão do prefeito Rômulo Rippa, Renan Arnoni, de 33 anos, deixou o governo na semana passada. Ele reclama de falta de espaço político. Nesta entrevista exclusiva, a primeira depois de deixar o governo, ele comenta sobre seu trabalho na cultura, as virtudes e defeitos do atual prefeito e sobre seu futuro na política.

Renam Fernando Freitas Arnoni é graduado em História pela Unesp de Franca, Renam também fez Pós graduação em Gestão Cultural: Cultura e Mercado. Ele atuou nos governos dos ex-prefeitos  Maurício Rasi (PMDB), Renata Braga(PSDB).  É também coautor do livro Aspectos Históricos de Porto Ferreira vol. II com o atual vereador Miguel Bragioni. É casado com Mariane Saraiva e pai de Alice Saraiva Arnoni, que completará 3 anos em novembro.

 

FALA PORTO – Por qual razão você deixou o governo do prefeito Rômulo Rippa?

RENAN ARNONI -  Porque percebi que não havia mais para mim espaço para atuação política.

FP- Qual era o grande mote de seu trabalho na Cultura?

RENAN- O objetivo  era aumentar a produtividade no setor da Cultura e também recuperar parcerias e recursos junto ao Governo do Estado de São Paulo. O governo do Estado até hoje é tucano e o governo municipal  anterior, de Renata Braga, também era tucano. Assim, buscamos uma nova aproximação com a gestão tucana em São Paulo, o que se deu através do Partido Verde, no Ponto MIS, as Oficinas Culturais e também o Circuito
Cultural Paulista. Infelizmente não tivemos retorno no projeto do Mapa Cultural Paulista. Estas parcerias são importantes, pois fortalecem o trabalho cultural do município.

FP-  Tinha algum objetivo específico?

RENAN- A grande ideia para a cultura era a de empoderamento, ou seja, agregar valor á prestação de serviços neste segmento.

FP- Você acha que Rômulo Rippa cumprirá seu plano de governo?

RENAN- Eu posso responder baseado na minha experiência na área da cultura. Como fiz parte da formulação do Plano de Governo, posso dizer que fizemos um projeto com os pés no chão. O objetivo era a de cristalizar conquistas para sobreviver a futuros governos.  O maior desafio nesta área seria a construção do teatro municipal. Não sei se ele vai conseguir, pois depende de liberação de emendas parlamentares e também de parcerias junto aos governos federal e estadual. Existem mecanismos como o Fundo de Cultura, onde poderíamos captar recursos para a Cultura. Os eventos realizados na área da Fepasa, por exemplo, são pagãos e poderiam reforçar o orçamento da Cultura e administrado pelo Conselho Municipal de Cultura. Existe o projeto de uma praça ao lado do palco permanente, sendo que o palco poderia ser transformado em escola, uma vez que os prédios da Estação Ferroviária estão em estado lastimável. Mas parece que o atual governo só vai fazer mesmo o arroz e feijão com a Cultura. Falta divulgação dos atos da cultura, pois um terço da população não acessa as redes sociais e muita gente não lê o jornal impresso semanal.

FP- Com menos de dois anos de governo, parece que a gestão do prefeito Rippa já acabou. Como o senhor analisa este desgaste precoce da atual gestão de alguém que, em tese, se preparou a vida toda para ser prefeito?

RENAN- Existia uma dívida herdada e a necessidade de cumprir compromissos. Caso contrário você fica sem parcerias e a Prefeitura fica sem condições de fazer novas licitações e também de receber novos recursos de governo, o que fica inviável se o governo estiver com o nome sujo. O Rômulo optou por um governo baseado em números, na contabilidade e na legislação. Infelizmente o povo brasileiro é muito humano, que valoriza o pessoal, o relacionamento humano. Então está aí a falha de governo. No aspecto administrativo ele vai muito bem, porém, falta política e relacionamento com o povo.

FP- O senhor, na Cultura, estava próximo do PV. O que o levou a se aproximar de Élcio Arruda e Alex Manente?

RENAN- Meu vínculo com o PV era pelo meu relacionamento com o Padre Afonso Lobato a quem estou apoiando na sua campanha à reeleição para deputado estadual. Foi ele que viabilizou as parcerias com a cultura, pois era ligado ao Penna, presidente  do PV e secretário estadual da Cultura. A ligação com o Élcio Arruda e com o Alex Manente se deu através de diálogos recentes para propostas futuras de um trabalho conjunto. O Élcio tem um grande trabalho ligado ao carnaval e à cultura e considera que posso ajudá-los, somando forças em novos projetos para Porto Ferreira. O Alex Manente é autor da PEC Limpa Brasil, que é muito importante. Essa PEC faz uma revisão de condenação em segunda instância, por homicídio, tráfico, porte de drogas, estelionato e estupro, entre outros delitos num momento em que a segurança é uma grande preocupação do povo. Então, além dos recursos que trouxe para Porto Ferreira, o Manente vem, também, fazendo um bom trabalho parlamentar em Brasília e merece nosso apoio.

FP- O que falta para o prefeito Rômulo Rippa?

RENAN- O Rômulo tem suas ideias e conceitos muito bem firmados e é muito consistente e determinado no que faz. Então, é muito difícil ter um diálogo com ele. Eu aprendi que política é a arte de governar.  Governar é ouvir o povo. Então para você governar tem que ter o respaldo do povo para suas ideias, o povo quer ter identidade com o governo. O que acontece atualmente é que as ideias são empurradas goela abaixo da população que é obrigada a aceitar as decisões sem ser ouvida.  Entretanto, o povo gostaria de participar, dialogar e criar identidade com a forma do prefeito governar. Então, na minha opinião, nascem aí as dificuldades do prefeito Rômulo.

FP- Mas como o senhor avalia o governo Rippa nestes quase dois anos?

RENAN- Em questões administrativas o governo dele é ótimo. Ele tem seguido a lei e tem buscado extinguir certos vícios da máquina. Então, embora seja administrativamente bom, o povo não aceita isso. O povo quer o remédio no posto, a vaga na creche e o assistencialismo em geral. A salvação do Rômulo seria incorporar o desejo do povo no seu projeto de governo. Se ele conseguir isso acredito que ele possa manter sua votação de 2016 e ser reeleito, caso existam três candidatos.

FP- Deixamos este espaço para seus comentários finais.

RENAN- Gostaria de salientar que o fato de eu buscar uma nova trajetória para minha vida não quer dizer que me tornei inimigo do prefeito. Eu desejo ele um bom trabalho com muito sucesso até porque ele administra Porto Ferreira, cidade que eu amo  e espero ver progredindo  independente de quem esteja na Prefeitura. Espero que o caminho dele seja bom e que ele seja vitorioso em sua caminhada.

 

 

 

Comentários

Últimas notícias

Página 1 de 137