Tromba d'água mata 5 aventureiros em MInas Gerais; sobrevivente é recebido com festa

Eduardo Gomes Moraes, de 35 anos, teve apoio de morador da zona rural e chegou andando à casa da família, em Passos (MG), após três dias desaparecido.

Publicado em 26/12/2018 21:21:52 | Por: G1 Sul de Minas

Tromba d'água mata 5 aventureiros em MInas Gerais; sobrevivente é recebido com festa
Cinco pessoas morreram em acidente na cachoeira em São João Batista do Glória (MG) — Foto: Reprodução/Facebook

 

Por Graziela Fávaro, Fernanda Rodrigues e Régis Melo — Passos, MG 


 
Eduardo sobreviveu após tromba d'água em São João Batista do Glória (MG) — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

Eduardo sobreviveu após tromba d'água em São João Batista do Glória (MG) — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

Sobrevivente da tragédia que matou cinco pessoas em uma tromba d’água em São João Batista do Glória (MG), Eduardo Gomes Moraes, de 35 anos, contou as dificuldades que enfrentou em busca de ajuda nos últimos três dias. O rapaz estava desaparecido desde o incidente na Cachoeira Zé Pereira, no último sábado (22), e voltou andando para a casa da família, em Passos (MG), após ser ajudado por um morador na noite desta terça-feira (25).

“O que eu passei, não quero que ninguém passe. O medo é grande, porque não tinha onde você socorrer. Fiquei muito traumatizado, é muito assustador. Só tive medo de morrer uma hora, na tromba d’água. Depois disso, tive medo mais não”.

Eduardo nadava com amigos, junto com outro grupo que fazia rapel no local, quando foi atingido pela tromba d’água. O que se sabe sobre o incidente:

  • um grupo de amigos nadava e fazia rapel na Cachoeira do Zé Pereira, na zona rural de São João Batista do Glória;
  • uma tromba d'água atingiu o local;
  • quatro pessoas estavam na trilha de rapel e três nadavam;
  • as quatro que estavam no rapel, não conseguiram se salvar;
  • um dos homens que estava nadando conseguiu sair e foi buscar ajuda;
  • Pollyana estava nadando e quase foi salva por Eduardo, mas escorreu e foi levada pela água;
  • bombeiros chegam ao local e não encontram Eduardo;
  • começam as buscas por sobreviventes no domingo cedo;
  • os corpos de Mariana, Maurílio, Alexsandro e Pollyana são encontrados ainda no domingo;
  • o corpo de Gustavo é encontrado na segunda-feira;
  • bombeiros encerram as buscas de terça-feira sem encontrar Eduardo;
  • Eduardo chega andando à casa da família em Passos, após receber ajuda de morador da zona rural de São João Batista do Glória. 
 
Sobrevivente de tromba d’água relata dias de caminhada em busca de ajuda

Sobrevivente de tromba d’água relata dias de caminhada em busca de ajuda

“Estava chovendo forte. A pressão da água é um trem inexplicável. Foi questão de segundos, foi muito rápido. Não teve [tempo de sair]. Alta velocidade e não parava”, resume Eduardo.

No momento em que a enxurrada começou e a água descia pelo paredão, Eduardo segurou a amiga Pollyana Laiane Diniz Furtado, de 26 anos. No entanto, não conseguiu evitar que ela fosse levada. O corpo de Pollyana foi encontrado no domingo (23), junto com outras três vítimas.

“Eu segurei, ela estava comigo no meu ombro, eu deitei, ela estava deitada e eu em cima. Eu gritei: 'Polyana, eu quero te salvar, não quero que você vai'. Aí na hora que a água começou a chegar, eu falei: ‘Se você não vier alto, não me ajudar, vai eu e você’. Eu vi que começou a pesar, eu vim pra cá, segurei a pedra, aí eu segurei a mão e o cabelo [dela]. Mas aí já escorregou, já era uma fatalidade”, lamenta.

Eduardo contou que o amigo Guilherme, que escapou da água pouco antes, conseguiu sair para pedir socorro. Enquanto isso, ele buscou abrigo e não esperou a chegada dos bombeiros.

“Fiquei com medo de ficar lá. Nesse intervalo, por que eu ia esperar ele lá? E se em uma hora, aonde eu estava, tivesse entrado água? Eu não vou correr esse risco. A água não parou não, até o tempo que eu fiquei lá, estava chovendo ainda. Ia ser um risco meu que ia correr", diz.

 
Local onde grupo sumiu durante rapel, em São João Batista do Glória, é de difícil acesso — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

Local onde grupo sumiu durante rapel, em São João Batista do Glória, é de difícil acesso — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

A caminhada

Para sair da cachoeira, Eduardo precisou escalar um paredão de aproximadamente 15 metros. De sábado até esta terça-feira, foram três dias de caminhada. O tempo todo, conseguiu beber água de rios e tomar banho. De alimento, comeu dois sanduíches que estavam em uma mochila.

“Morrer eu não ia não. Porque aonde eu passava tinha água. Eu tomava água feito doido. Ela matou a fome”, afirma.

Durante a caminhada, Eduardo conta que viu, mais de uma vez, o helicóptero do Corpo de Bombeiros que apoiava a buscas pelas vítimas. “Vi todos os dias. Eu abanava a mão, eu gritava. Mas não me viam”.

Ele conseguiu chegar a uma fazenda, onde morava um conhecido da família. “Eu falei com ele assim: ‘Eu estou morto de fome, você me arruma um arroz, um feijão e um ovo?’. Eu já estava ficando fraco, já estava assim sem resistência”.

O dono da fazenda, Odair Marques Batista, quis ligar para o pai de Eduardo e avisar que o filho estava vivo, mas foi impedido pelo rapaz. “Aí eu falei, não vai ligar pro meu pai não. Chegando em casa lá eu dou grito, dou um abraço nele”.

 
Eduardo conta ter visto helicóptero dos bombeiros durante os dias desaparecido — Foto: Helder Almeida

Eduardo conta ter visto helicóptero dos bombeiros durante os dias desaparecido — Foto: Helder Almeida

Reencontro com a família

Eduardo conta que, enquanto buscava por ajuda, pensava o tempo todo na família, especialmente no pai.

“Eles que davam forças pra mim. Eu falei 'não, não vou largar esse velho na mão, não'. Se lá no dia que eles foram achar o corpo, eu não estava morto, então é sinal que eu estava vivo. A turma que veio aqui [pensou]: ‘esse Chiquinho é esperto, ele deve ter subido para andar, foi isso que eu fiz. Fui pensando no meu pai, irmão, minha sobrinha’.

O pai de Eduardo contou que estava sem esperanças de encontrar o filho. O reencontro com a família, em casa, foi marcado de emoção. Uma multidão foi até o local. “A reação do meu pai foi boa demais. Pai, essa foi pra dar uma reviravolta. E Deus não faz por linhas tortas”.

 
Eduardo e o pai, Francisco, em casa na manhã desta quarta-feira (26) — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

Eduardo e o pai, Francisco, em casa na manhã desta quarta-feira (26) — Foto: Graziela Fávaro/EPTV

Estado de saúde

Assim que chegou à casa da família, Eduardo foi levado para a Santa Casa de Passos (MG). Lá, foi submetido a um raio-X dos rins e dos pulmões, recebeu soro e fez exames de sangue. Com apenas um ferimento no pé, ele comemora a nova chance.

“Fora a loucura? Uma força de vontade. Passei por uma experiência muito difícil. Quase chorei sim. Mas eu sou muito forte. O teu psicológico te dá um apoio. Eles falam que fé não resolve, [mas] resolve sim. Porque se ninguém tiver fé no coração, não faz o que eu fiz. Eu agradeço ao povo que estava orando pra gente. Pela consideração, fiquei muito lisonjeado, muito agradecido”
 
Eduardo fala brevemente depois de voltar para casa após três dias desaparecido
G1 EPTV
 
 
Eduardo fala brevemente depois de voltar para casa após três dias desaparecido

Eduardo fala brevemente depois de voltar para casa após três dias desaparecido

Tromba d'água

O incidente aconteceu quando um grupo de quatro jovens descia um paredão utilizado para rapel no local, que é de difícil acesso e fica no bairro rural das Palmeiras, na Serra da Canastra. As outras duas vítimas nadavam no poço na parte inferior da cachoeira quando a água chegou.

Um homem, que também estava nadando, conseguiu escapar e foi quem acionou o socorro. O Corpo de Bombeiros teve que fazer parte do percurso a pé e o trajeto todo levou cerca de 1h30.

O primeiro corpo encontrado, já no domingo, foi o de Mariana de Melo Almeida Horta, de 23 anos, que fazia rapel em um paredão no local. As outras vítimas foram Maurílio Pádua Silveira, de 30 anos, e Alexsandro Antônio Pereira de Souza, de 32 anos, Pollyana Laiane Diniz Furtado, de 26 anos e Gustavo Alfredo Godinho Lemos Ferreira, também de 26, último a ser localizado.

 
Cinco pessoas morreram em acidente na cachoeira em São João Batista do Glória (MG) — Foto: Reprodução/Facebook

Cinco pessoas morreram em acidente na cachoeira em São João Batista do Glória (MG) — Foto: Reprodução/Facebook

Comentários

Últimas notícias

Página 1 de 145