São Carlos cresce ”uma Pirassununga” em 25 anos

Entre o surgimento da internet no Brasil e 2020, município ganhou um total de 75 mil habitantes, população da cidade que abriga duas bases militares na região

Publicado em 24/03/2020 14:48:57

São Carlos cresce ”uma Pirassununga” em 25 anos
: Shopping Iguatemi: implantação provocou modernização do comércio - divulgação

1995-2020

São Carlos cresce ”uma Pirassununga” em 25 anos

 

(sub) Entre o surgimento da internet no Brasil e 2020, município ganhou um total de 75 mil habitantes, população da cidade que abriga duas bases militares na região

 

Marco Rogério

O município de São Carlos cresceu 75 mil habitantes em 25 anos. Entre 1995 e 2020, o município ganhou uma população que dá o total atual de habitantes de Pirassununga, cidade da região que abriga duas bases das forças armadas brasileiras: uma da Aeronáutica e outra do Exército. A cidade saiu do Século XX e entrou no Século XXI em pleno avanço demográfico.

O município ganhou vários novos bairros, como o São Carlos 8, na Zona Leste, o Moradas I e Moradas II e Araucária na Zona Noroeste, além dos complexos de condomínios fechados Dahma e Faber. Na Zona Sul, talvez a que mais tenha crescido, bairros populares como Jardim Zavaglia, Planalto Verde e Eduardo Abdelnur abrigaram milhares de são-carlenses.

Vários fatores colaboraram para este crescimento. Neste período, por exemplo, a UFSCar praticamente dobrou o número de cursos e de alunos, a USP também cresceu, ganhando um campi II e a Unicep tornou-se centro universitário. A cidade recebeu novos e importantes investimentos. A cidade que tinha um pesquisador para cada 200 habitantes, agora tem um para cada 100 são-carlenses.

Outra empresa importante, a Latam, antiga TAM, montou, em 2001, na antiga montadora da CBT, um centro de reparos de aviões. De lá para cá, o Aeroporto Mário Pereira Lopes tornou-se internacional e, assim, São Carlos vive a expectativa de se tornar um grande centro de importação e exportação através do transporte aéreo.

Nestas duas décadas e meia algumas empresas viveram seu apogeu e sua queda. Foi o caso da Tecumseh do Brasil. Nos anos 1990, a Tecumseh exportava para 60 países e vivia um período de grande pujança. A empresa chegou a ter 7.400 funcionários e chegou a anunciar a contratação de mais 800 durante a visita do então presidente Luís Inácio Lula da Silva à cidade. De lá para cá a empresa enfrentou várias crises e hoje tem cerca de 5.000 funcionários a menos .

A fábrica de motores da Volkskwagen, inaugurada em 1996, foi um marco para a cidade. Ela trouxe um novo status para o setor metalúrgico e formou uma classe média operário bom bons salários e benefícios. Também trouxe consigo um sindicalismo moderno que acabou derrubando as velhas tradições sindicais. Em 2010, Cabeça Filho, o fundador do Sindicato dos Metalúrgicos, teve que passar o bastão para a vanguarda da CUT, com Erick Silva, Ronaldo Lopes e outras lideranças.

Nos setores comercias e de serviços uma nova série de investimentos varreram a cidade de norte a sul e de leste a oeste. O Shopping Center Iguatemi, que surgiu em 1997, provocou uma modernização do comércio histórico da região central e também em outros setores como o chamado Alto da Cidade, formado pelos corredores comerciais das ruas Dr. Carlos Botelho e XV de Novembro.

 

(MATÉRIA 2)

PRÓS E CONTRAS

Falta de planejamento conserva problemas urbanos

 

Marco Rogério

Das locadoras de VHS aos serviços de streaming, do velho celular tijolão aos smartphones, dos velhos barzinhos com som ao vivo aos pubs, a cidade viveu um grande crescimento em vários segmentos, mas ainda enfrenta velhos problemas, como as enchentes em vários pontos da cidade. O número de veículos também avançou muito, deixando o tráfego bastante complicado e congestionado.

Na área cultural a nova unidade do SESC na Avenida Comendador Alfredo Maffei tornou-se o maior polo difusor de esportes, cultura e entretenimento da região. O Cine São Carlos fechou e reabriu em 3D em meados da Década de 2000. O sucesso foi tão grande que hoje conta com duas salas, mostrando que cinema não existe somente em shoppings.

Se velhas e consagradas marcas, como Chocolate Serra Azul, Doces Hero, FADISC e ABASC desapareceram, em compensação outras novas surgiram como Oásis Eventos, Banana Brasil, Serasa Experian e Passeio São Carlos, mostrando que a cidade se reinventa a cada dia.

Nas próximas semanas traremos novas matérias sobre este tema.

 

PRÓS E CONTRAS 2

Cronista alerta para o risco do crescimento desordenado

 

Marco Rogério

Nos últimos 25 anos, São Carlos se transformou e hoje depara com o desafio de encontrar alternativas para crescer sem perder as características da cidade pacata dos anos 1990. A partir dali e até meados da década seguinte, um novo cenário foi desenhado.

No período, instalaram-se o novo Sesc, a Volkswagen, o shopping center e saíram de cena a CBT e a Abasc. Fatos que pareceram simbólicos. Os setores do comércio e serviços progrediram e passaram a ser os maiores empregadores.  Consolidou-se a vocação tecnológica com o Campus 2 da USP, o Science Park, o IFSP, a Fatec, o MRO da Latam, incubadoras e startups.

Ao mesmo tempo, ações ocorreram para a preservação ambiental e da memória histórica. Não resta dúvida de que a cidade evoluiu, mas o crescimento desordenado ameaça o futuro. As enchentes nesse início de ano demonstraram que problemas antigos persistem e esperam por soluções novas.

 

Comentários

Últimas notícias

Página 1 de 179