BOMBA!!! EXCLUSIVO: Prefeito Rômulo Rippa mantém funcionário fantasma em seu governo

Chefe da Divisão de Esportes da Secretaria Municipal de Esportes, Ralf Buriti, acumula o cargo com o de professor de Educação Física no Colégio Objetivo

Publicado em 26/06/2019 18:27:08

BOMBA!!! EXCLUSIVO: Prefeito Rômulo Rippa mantém funcionário fantasma em seu governo
Buriti: chefe de Divisão de Esportes da Prefeitura e professor do Colégio Objetivo: pode isso, Arnaldo???

Marco Rogério

Eleito com a bandeira da moralidade e da honestidade, o prefeito Rômulo Rippa (PSD) mantém, em sua gestão, pelo menos um funcionário fantasma. Segundo informações de fontes da Prrefeitura Municipal de Porto Ferreira, o Chefe de Divisão da Secretaria Municipal de Esportes, Ralf Buriti, durante o horário comercial, estaria trabalhando também no Colégio Objetivo, onde ministraria, durante o dia, aulas de Educação Física. A conduta é irregular e o caso deve ser levado ao Ministério Público por cidadãos ferreirenses ainda esta semana. 

Ralf Buriti, nascido em Tambaú, reside em Porto Ferreira há cerca de 10 anos. Na campanha de 2016, Buriti apoiou a candidatura de Mauríci Rasi (PMDB), que acabou barrada pela Justiça Eleitoral. Para vereador, ele teria apoiado a candidatura também derrotada do polêmico ex-diretor do SAEF (Serviço de Água e Esgoto Ferreirense,  Beto Utinetti. 
Há alguns anos, Buriti era professor da escola, quando comandou o time de futsal masculino nos Jogos Estudantis Ferreirenses, (JOESF) e se envolveu em uma polêmica sobre violência durante uma partida onde o Objetivo enfrentou o Colégio John Kennedy dirigiada pelo professor Rodrigo Martins, Foguinho. Buritti teria, segundo informações, incitado seus atletas a dar entradas mais duras nos adversários. 


O especialista em gestão pública e também vereador em São Carlos, João Muller, afirma que não é legal e muito menos moral um servidor em cargo de comissão exercer aividades na iniciativa privada durante o horário comercial. "O trabalho de quem ocupa cargo em comissão é de dedicação exclusiva. Então, ele, o servidor, não poderia acumular as duas atividades", explica ele.

 A advogada Adryelle Gomes, ressalta que o ocupante do cargo em comissão submete-se ao regime de dedicação integral ao serviço, em virtude da natureza das funções desempenhadas, não vislumbrando-se a possibilidade de fixação aos seus ocupantes de jornada especial de trabalho. "Por isso, existe inclusive a impossibilidade de o servidor ocupante de cargo em comissão, com carga horária fixada em 8 horas diárias, trabalhar em outras atividades particulares em horário de expediente do órgão público, porque tal atitude se revela incompatível com o a jornada fixada pela instituição, ao regime de dedicação integral e, de modo especial, ao princípio da moralidade".

Para o advogado especializado em direito público e administrativo, Luis Luppi, Rippa deve exonerar imediatamente Buriti ou então incorrerá em improbidade administrativa, causando danos ao herário e enriquecimento ilícito do servidor de confiança. "Qualquer cidadão poder representar ao Ministério Público e o prefeito, se não tomar nenhuma providência, pode ser condenado por improbidade e até perder os direitos políticos", explica ele. 

Comentários

Últimas notícias

Página 1 de 171